Enquanto o poço não seca por Prof. Rodrigo B. Tavares

“Enquanto o poço não seca, não saberemos dar valor à água” (FULLER, 2014)




Havia um mito de que o Brasil era um país autossuficiente no âmbito da quantidade de diversos recursos naturais. De fato, nosso país é privilegiado quanto à presença de recursos indispensáveis. A água é um destes recursos, pois é um bem indispensável para qualquer classe social, economia ou país.


Na semana do dia mundial da água, comemorada mais precisamente no dia 22 de março, queremos traçar uma consciência quanto a sua importância, ao uso deste bem e a atual necessidade de preservá-la.


É de senso comum que a água é um recurso natural que está na base da vida humana e de suas atividades. Sem água, nenhuma sociedade é capaz de se desenvolver. Sendo assim, é importante difundir a compreensão e o pensamento de que sua utilização deve ser feita de modo racional e consciente, visando não comprometer nossa geração e as que estão por vir.


A Terra é um planeta que apresenta um grande volume de água, que chega a 71% do total de sua superfície. Em números precisos, estima-se que haja 1.386 milhões de km3, porém aproximadamente 97,5% desse total é constituído de água presente nos oceanos, lagos de água salgada e mares no mundo.


Outro agravante a ser destacado é que dois terços (2/3) do volume de água doce disponível no planeta estão concentradas em geleiras e nas calotas polares, que, de acordo com pesquisas recentes realizadas por diversas universidades no mundo, sua utilização seria economicamente cara aos países que quisessem dispor dessas fontes, além da falta de tecnologia desenvolvida para tal finalidade.


Diante desses fatos, sobrariam aproximadamente 0,007% de água para consumo humano de toda água disponível no planeta. Mesmo o Brasil sendo um país bastante privilegiado quanto ao acesso e a disponibilidade deste recurso natural, nunca se imaginou uma crise hídrica à nível nacional observada e vivenciada principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do território brasileiro.

O CIEP 117 Carlos Drummond de Andrade – Ensino Médio Intercultural Brasil X Estados Unidos, como centro de ensino formador e propagador do conhecimento, se solidarizou com essa questão ambiental e tem buscado soluções que possam contribuir para um uso mais racional da água. Por esta razão, em consonância com a Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro, a escola desenvolveu um projeto voltado ao desenvolvimento do uso racional da água junto ao corpo discente.

Dentre as ações para a difusão deste conhecimento, observamos os seguintes itens:

· Verificar se existem vazamentos em instalações hídricas e buscar soluções para resolvê-lo;

. Ao escovar os dentes ou se barbear, manter a torneira fechada;

. Manter fechada a torneira quando estiver ensaboando louça suja e talheres;

. Ao usar a máquina de lavar roupas, acumular o máximo possível de roupas sujas e procurar lavar tudo de uma vez;

. Ao tomar banho, manter o chuveiro fechado ao se ensaboar;

. Evitar o descarte de óleo no ralo da pia da cozinha para não contaminar ainda mais a água do esgoto, e nem dificultar o sua limpeza nas estações de tratamento;

. Ao visualizar na rua algum vazamento, entrar em contato e informar sobre o problema a companhia de água responsável pelo abastecimento e manutenção;

. Regular a válvula das descargas e usar o vaso sanitário somente quando for necessário;

. Reutilizar a água sempre quando puder. Exemplo: Reutilizar a água do enxague da máquina de lavar para lavar o quintal ou a calçada externa;

. Não lavar áreas externas. Dar preferência por varrer esses lugares, evitando desperdício;

. Utilize balde para lavar o carro. A utilização de mangueira pode provocar um gasto maior com a conta de água e aumentar o desperdício;

. Captar e utilizar água da chuva para lavar automóveis, quintais ou regar plantas e jardins;

Na disciplina de Geografia, ministrada pelo professor Rodrigo B. Tavares, a questão da água é trabalhada de forma conjunta com o tema “Globalização” analisando práticas do uso da água no Brasil e no mundo, trazendo maior conscientização quanto à utilização dela.

De acordo com a ONU, atualmente 11% da população mundial, o que equivale a aproximadamente 783 milhões de pessoas, estão carentes do acesso a água potável. Diante disso é fundamental reduzir o consumo e adotar práticas conscientizadoras quanto ao uso da água.

Porém, é válido ressaltar, que em nosso país o consumo de água é praticado de forma desenfreada na irrigação e em menor escala pelas indústrias, conforme o gráfico a seguir legitima:

Fonte: Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil (ANA), 2013 

Sendo assim, é preciso compreender que não apenas os setores residenciais urbanos devem diminuir o desperdício de água, mas também os setores industriais e de atividades agropecuárias, principalmente para a irrigação.


Vejamos alguns exemplos do consumo de água na cadeia produtiva logo a seguir:



Por fim, acreditamos que economizar e utilizar de forma consciente a água é indispensável em tempos de crise hídrica, além da distribuição igualitária a todos os componentes da sociedade, pois além de ser um direito o acesso à água, sem ela é impossível sobreviver. O questionamento que fica em tempos como estes é: Haverá água para todos? Só o tempo e o uso consciente poderão responder.

Sobre o autor:
O professor Rodrigo B. Tavares, é formado em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), é integrante do Núcleo de Estudos em História Ambiental e Geografia (NUAGE/UERJ), e é professor de Geografia da Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro e também do município de Nova Iguaçu. 

Contato: rodbarbosarj@uol.com.br

Interviews

Most read of the week