Maria Clara, estudante de Engenharia e moradora da Baixada, foi uma das finalistas no Mundial Age Group de Ginástica de Trampolim


A estudante da UFF de Engenharia de Agronegócios, Maria Clara dos Santos Amorim, moradora de Nova Iguaçu – Rio de Janeiro, de apenas dezessete anos, foi selecionada para representar o Brasil no Campeonato Mundial Age Group de Ginástica de Trampolim na modalidade Duplo – Mini Trampolim Feminino.

Maria Clara sempre gostou de praticar esportes, entretanto, a história esportiva dela começou quando ela tinha nove anos e praticava Ginástica Artística. E desde nova Maria Clara participou de muitas competições dentro do Estado do Rio de Janeiro, porém a principal conquista dela foi ficar em terceiro lugar no Campeonato Estadual do Rio de Janeiro, em 2012.


Há apenas dois anos é que Maria Clara começou a praticar Ginástica de Trampolim e durante esse período ela ficou em primeiro lugar nas modalidades, Duplo – Mini Trampolim; Tumbling e Trampolim Individual, no Torneio Nacional que ocorreu em setembro de 2014, em Goiânia. Após isso, ela também foi campeã nas modalidades de Tumbling e Duplo – Mini Trampolim, no Campeonato Brasileiro de Ginástica de Trampolim, que ocorreu em maio de 2015, também em Goiânia. Através desse Campeonato Nacional é que a esportista conseguiu passar para as eliminatórias do Campeonato Mundial.

O Campeonato Mundial de Trampolim, ocorreu neste ano na Dinamarca, e tem por objetivo reunir atletas de várias nacionalidades que possam representar seus respectivos países nas modalidades de Trampolim. E para participar do Campeonato Mundial é necessário que o atleta tenha participado do Campeonato Nacional do seu país, e a escolha dos finalistas é feita pelos arbitrários e técnicos de acordo com o desempenho dos atletas.


Conta a estudante que realizar o sonho de competir no Campeonato Mundial de Trampolim, não foi nada fácil, principalmente para ela que quando começou a realizar o seu sonho teve escolher qual faculdade iria cursar. Porém apesar das dificuldades, dos problemas, da pressão, da preguiça, entre outras tantas coisas, ela não apenas realizou o sonho esportivo dela como também o sonho acadêmico. 

“Me sinto tão emocionada com tudo o que está acontecendo, foi muito difícil continuar no esporte, pensei em desistir muitas vezes, eu sempre pensava que tudo o que meus pais estavam fazendo por mim talvez não desse em nada e isso me magoava muito. Ano passado minha rotina era todos os dias ir para a escola de manhã, quando saía da escola eu pegava dois ônibus para ir pro treino, às vezes almoçava no ônibus mesmo, chegava no treino umas 15:00 , treinava até as 19:00 horas da noite, pegava o ônibus pra voltar para casa umas 19:20 e costumava chegar em casa umas 21:30, para no outro dia fazer tudo de novo. Era muita cansativo, e por isso pensei muitas vezes que não ia conseguir passar para a faculdade, e quando você passa a viver sua vida em função de alguma coisa, é muito difícil ignorar as críticas, principalmente quando dizem que você não vai conseguir, quando digo que ninguém acreditava em mim, é porque todos me diziam que era uma perda de tempo, e eu às vezes realmente acreditava nisso, mas graças aos meus pais que nunca perderam a fé em mim atualmente sou campeã brasileira adulto de duplo mini trampolim e tumbling, e consegui a vaga para representar a seleção brasileira no duplo mini trampolim, o que me faz pensar que todo o esforço valeu a pena. Agora eu posso realmente dizer, nunca desista dos seus sonhos, eles às vezes acontecem da forma mais inesperada, se você acreditar que pode, ninguém poderá dizer o contrário.” - Depoimento da estudante.


Realmente, para realizarmos nossos sonhos precisamos enfrentar obstáculos, mas o maior obstáculo somos nós mesmos.

Matéira feita por Ana Beatriz Eliziaria, revisada por Aline dos Santos.

Interviews

Most read of the week