Já imaginou receber 250 mil dólares para quebrar regras? Agora é possível!


O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), um dos maiores e mais desenvolvidos polos tecnológicos do mundo, localizado nos Estados Unidos da América, desenvolveu uma premiação que promete desafiar todas as normalidades encontradas na sociedade, seus impedimentos e as limitações da atualidade, tudo em prol de um desenvolvimento social, de forma dinâmica e inovadora, que se dê em qualquer área do conhecimento.

O prêmio é de 250 mil dólares (cerca de 790 mil reais) e é designado a uma pessoa ou um grupo que quebraram todas as regras imagináveis e se arriscaram em nome do sucesso de seus respectivos projetos. Porém, tudo isso deve se dar pelo bem da sociedade. As inscrições vão até o dia 7 de maio de 2017.

Como pré-requisitos, o projeto precisa ser criativo, ousado, corajoso e, principalmente, pacífico. Suas áreas de estudo podem ser voltadas para as iniciativas de pesquisa, direitos civis, liberdade de expressão ou em matéria de Direitos Humanos. A motivação do instituto para criar tal prêmio foi a de que, através de pesquisas, foi possível assegurar que as normas socio-institucionais ‘sufocam’ a criatividade e nem sempre estão abertas “ao novo”.


“Não mudamos o mundo obedecendo regras”, declara Joi Ito, diretor do laboratório de mídia do MIT. “Não ganhamos um Nobel por termos respeitado a norma, e sim desobedecido as autoridades.” O mesmo lembra a luta de Martin Luther King – questão do apartheid – e de Galileu Galilei – disposição do sistema solar –, por exemplo, que trouxeram avanços à sociedade ao contestarem a ordem.

Para participar do prêmio é necessário preencher um formulário em inglês que se encontra no site do próprio MIT, é preciso fornecer dados pessoais, informações sobre o projeto, suas motivações e uma breve explicação de como se colocaria em prática o que foi submetido ao prêmio, o resultado final será anunciado no dia 21 de julho de 2017.

Matéria escrita por Italo Medeiros, revisada por Bruna Porto.

Interviews

Most read of the week