Caminhos de refúgio: o cérebro como a máquina mais potente contra o mal do século XXI


A geração atual vive constantemente em um alto nível de estresse, consequente de posições exigentes de um perfil ideal para a obtenção de sucesso em qualquer área que esteja atuando.

É de se notar que o "mal do século" é, justamente, a irrelevância de pensamentos acelerados que exigem um certo desconforto físico e mental. Contudo, doenças como síndrome do pensamento acelerado, ansiedade e depressão têm assolado um legado mundial.

Na maioria das vezes, a única solução é tomar medicamentos indicados para tais adversidades psicológicas. Entretanto nos esquecemos de recorrer ao nosso maior "computador", o cérebro.

Há uma área cerebral cujo nome se dá por "córtex pré-frontal" que pode assumir, ao mesmo tempo, um papel confortável ou desconfortável para os nossos anseios diários. Ele é dividido em direito e esquerdo, acrescentando uma gama de pontos negativos e positivos.


O córtex pré-frontal direito nos dá um certo desconforto e desequilíbrio. A ativação deste como mediador de nossas decisões pode ser meio arriscado. Enquanto isto, possuímos o córtex pré-frontal esquerdo, o qual nos impulsiona a um bem estar emocional, físico e psicológico.


O córtex pré-frontal esquerdo nos dá ferramentas como atenção, empatia, organização e controle de impulso. De maneira geral, ele pode ser a nossa maior fonte de conforto em meio a situações exigentes, podendo transformá-las em experiências incríveis.

Logo, podemos exercitar esta área quando estamos engajados em um problema tendo total concentração, menos exigências, autoconfiança e comprometimento. Com isto, nos tornamos pessoas eficientes, empáticas e diminuímos a carga emocional e exaustiva do nosso dia.

Se concertrarmo-nos todos os dias, criando um hábito, o nosso cérebro associará que aquela atitude é a mais confortável e passará a administrar nossas emoções e ações ao córtex pré-frontal esquerdo. Assim, estaremos evitando sentimentos ruins ao decorrer de nossas atividades cotidianas.
Matéria feita por Maria Fernanda Cândido.

Interviews

Most read of the week